Não é raro encontrar famílias em que pais e filhos seguem a mesma profissão. Médicos e advogados são os mais comuns. Descobrimos que o vício do surf pode, sim, ser transmitido.

Enquanto procuramos nossas fontes para conhecer melhor esse mundo de mar e pranchas que a cada dia nos encanta mais, percebemos que se depender dos filhos dos atuais surfistas, o esporte tem longa vida pela frente.

Nosso contato mais próximo foi com um francesinho, Louis, de nove anos que com orgulho repetiu várias vezes que surfa desde os nove meses. Já passou por vários pontos de surf conhecidos no mundo e adora surfar aqui, em Santos. A única reclamação que tem é que no mar santista não há tubo, mas de resto, para ele, está tudo na mais perfeita ordem.

O amor pelo mar é de berço, o pai dele é surfista há mais de 40 anos e não esconde que passou a boa vibração para o filho. Louis é a cara do surfista, cabelos queimados de sol, pele bronzeada, sorriso no rosto e a simpatia em pessoa. Prometeu que presentearia dois integrantes do grupo com uma prancha, já que ele tem se sobra para uma só pessoa (tem sete e já tinha mais uma prometida para quando retornasse à França).

Santos tem “O” exemplo de que o amor pelo esporte pode ser transmitido junto com todo o carinho e dedicação de um pai, o Gato, Picuruta Salazar continua surfando, mas quando se aposentar das competições nem será necessário se preocupar com o nome da família no esporte. Isso porque os filhos, Leco, Caio e Matheus Salazar também competem e se saem muito bem em cima de uma prancha.

O surf é mais que apenas um esporte, é amor, integração com a natureza, é, como nos disseram, o momento em que você está sozinho e não tem que se preocupar com nada além de aproveitar ao máximo a liberdade que está recebendo, mesmo que seja só por uma onda.

Não é difícil entender porque esse amor pelo surf contagia quem o conhece de perto, e se o pai apresenta ao filho desde os primeiros meses de vida essa doce sensação de ser livre no mar, é facílimo entender que os futuros surfistas estão se apaixonando pelo mar cada vez mais cedo.

Aloha

PS: Louis, a prancha a gente acerta depois ; )
Foto de André Valentim/Strana
Share on Facebook
 
Comentários
Prince Morbido disse:

é sim realmente, a maioria dos surfistas tem pais sufistas :)

pelo menos dos que eu conheço

http://princemorbido.blogspot.com

The Surfer Brasil disse:

Belo texto de dias dos pais surfistas. Eu sou um deles.

ALOHA. The Surfer