Pioneiros do Surf Santos

Pioneiros do Surf são homenageados em Santos

Pioneiros da década de 60 e Mineirinho são homenageados

Cidade onde o surf “nasceu” no Brasil, Santos comemora todo dia 21 de janeiro o “Dia do Surfista”. Na data, uma homenagem feita pela Prefeitura é prestada aos pioneiros da modalidade, escolhendo alguns personagens importantes que ajudaram a “construir” a cultura do esporte. A solenidade, que será comandada pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa, está marcada para quinta-feira, às 17 horas, no Salão Nobre Esmeraldo Tarquínio, na Prefeitura.

Quatro ícones da década de 60 foram escolhidos para receberam as placas nesta edição, de acordo com os fatos levantados pelo especialista na história do surf, Diniz Iozzi, o Pardhal. Destaque para Homero Naldinho, inventor da indústria do surf na região. “É um gênio e autodidata, um mito na criação de uma marca, loja, equipe de surf, fábrica de pranchas e laboratório de invenções para deslizar sobre as ondas”, argumenta Pardhal.

Também serão homenageados outros três destaques da famosa “Turma do Conde do Mar”: Sergio Barros Barletta, arquiteto que ainda guarda a sua primeira prancha da década de 60; Wanderley Paschoal, o Milica, artista que desenhou a maioria dos logotipos das marcas de surf da região, desde os anos 60; e José Roberto Pereira Barreto Júnior, o ZeBeto, o primeiro a usar uma prancha produzida por Homero.

Neste ano, outro destaque será a menção ao novo campeão mundial de surf profissional, Adriano de Souza, o Mineirinho, que é da vizinha Guarujá, mas muitas vezes competiu e se destacou nas ondas do Quebra-Mar, sobretudo no A Tribuna de Surf Colegial, circuito que o projetou no início da carreira. Ainda no encontro o presidente da Associação Santos de Surf, Marcos Andrade, o Cabeça, apresentará os avanços conquistados em 2015 e as novidades para esta temporada, com destaque o Festival de Longboard e o inovador Centro Municipal de Treinamento Avançado em Surf.

“Esse evento é muito importante para divulgar a cultura do surf, todos os acontecimentos do mundo do surf durante o ano e para conseguir, cada vez mais, sedimentar esse estilo de vida nas cidades da Baixada Santista, principalmente em Santos, onde nasceu o surf no Brasil. E que a gente consiga atrair mais investidores ao esporte e estimular os atletas a participar de todas as ações”, afirma Marcos.

Ele mostrará os resultados do Circuito Santos Surf, que este ano já está confirmado novamente com recursos captados pelo Promifae, programa de incentivo fiscal da Prefeitura, reunindo as empresas NR Sports, Colorado Jeep e Grupo Mendes. “Serão três etapas exclusivamente para as categorias de base. A NR Sports também será patrocinadora da equipe santista no Paulista”, adianta o presidente da Santos Surf.

“A ideia do Festival de Longboard é revitalizar a modalidade, que tem como grande ícone um santista, o Picuruta Salazar. Vai ser mais uma confraternização do que competição, também com o Promifae, tendo a Rumo Logística como patrocinador. O Centro de Treinamento é uma grande conquista em parceria com a Semes e a Fupes, que acreditam muito no crescimento do surf. Será um espaço para treinos físicos, teóricos táticos, palestras, para atletas de competição das categorias de base e profissionais, inclusive de SUP, que representam a Cidade”, anuncia Cabeça.

O presidente da Santos Surf faz questão de enaltecer a união de forças para esta ascensão do esporte em Santos, destacando os empenhos do prefeito, secretário de Esportes Alcídio Mello, o Cidão, o presidente da Fupes, Paulo Miyasiro. “Também o vereador Sadao Nakai e o presidente da TV Tribuna, Roberto Clemente Santini contribuíram muito para chegarmos a esse estágio”, complementa.

Criado pela lei municipal 2172, de autoria do então vereador Fábio Nunes (hoje secretário municipal de Cultura), em 19 de dezembro de 2003, o Dia do Surfista tem como objetivo valorizar a história do esporte na Cidade. Foi em Santos que o surf “nasceu”, com os primeiros registros no fim dos anos 30 com os irmãos Thomas e Margot Rittscher e os amigos Osmar Gonçalves e Juá Hafers pegando as primeiras ondas na Praia do Gonzaga.

No ano passado, com “casa” cheia, foram lembrados Maurício Tadeu Di Gregório, o “Paulista”, Odmar Fernandes Aguiar Júnior, o “Timó”, Durval Citero Júnior, o “7 Cabeças” e Hélio Silva de Oliveira, o “Coquinho”. “O surf está em alta, com os dois últimos anos o Brasil conquistando os títulos mundiais e com atletas de São Paulo. Isso, com certeza, refletirá nas categorias de base e estamos preparados para essa demanda”, completa Marcos Andrade.

(FMA Notícias)

Share on Facebook

Notícias Relacionadas

Tags