O mar é o mesmo, mas alguma coisa mudou.

As ondas não estão mais tão fortes, a sujeira parece ter aumentado.

Não foi só o mar. Algo nele mudou também. Os cabelos ainda brilham com o sol, mas agora as madeixas não são mais douradas, ganharam um aspecto bem mais claro, branco.

O corpo também já não é tão magro quanto antes, sobram experiências e algumas rugas (escondidas diante da disposição que mostra no rosto e da pele queimada de sol).

Pois é, nem parece tanto tempo, mas já se foram mais de 30 anos desde a primeira onda.

Nesse tempo o esporte ficou mais popular, agora pode-se comprar equipamentos que antes eram quase impossíveis de serem encontrados. A prancha ganhou novas versões.

Agora, não é preciso esconder de ninguém ou ficar receoso, a paixão é assumida, declarada com orgulho. O surf é vida.

Juntos, ele, o mar e todos os outros que passaram por grandes apuros e não só sobreviveram, mas viveram e aproveitaram cada onda, construíram uma cumplicidade sem fim. Laços que o tempo não destrói e as ondas não levam embora, pelo contrário, só fazem trazer boas lembranças.

* * *

surf começou com tudo mesmo no Brasil nos anos 60/70. Na época um esporte totalmente jovem e radical, que os “coroas” não aprovavam.

Os surfistas era vistos com muito preconceito, ligado às drogas, a não fazer nada, a não ter um futuro promissor.

Hoje, esses surfistas já não são mais tão jovens (de idade e não de mentalidade) e o surf já não é considerado um esporte só de pessoas mais novas, mesmo porque quem o praticava nas décadas de 60 e 70 continuam surfando, mesmo já tendo passado dos 40 anos de idade.

Pensando em reunir o grupo que há muito tempo desliza nas ondas de Santos, dois surfistas mais velhos, José Luiz Sant’Anna e Carlos Carmello, idealizaram o Clube dos Pioneiros do Litoral Paulista.

Deu certo, no ano passado , o 2º Festival de Longboard Pioneiros do Litoral Paulista – A Tribuna, contou com mais de 140 surfista com mais de 40 anos. Alguns dos presentes eram: Cisco Araña, Thyola, Mixirica, Chico Paioli, Longarina, Homero Naldinho, Almir Salazar, Bruzzi, Fábio Jacuí, Chico Preto, Alemão Sunless, Fuad Mansur, Jorge Limoeiro, Delton Menezes, Carlinhos Horácio, John Wolthers, Hélio Coquinho, Luiz Juquinha, Álfio Lagnado e Victor Orelhão.

Os Pioneiros mostram que para se divertir e dedicar ao esporte não tem idade, além de provar que o mar continua garantindo toda a energia de que um bom atleta precisa.

Share on Facebook

Notícias Relacionadas

Tags