Adriano de Souza (Foto: Kirstin Scholtz / WSL)

Adriano de Souza (Foto: Kirstin Scholtz / WSL)

O paulista Adriano “Mineirinho” de Souza, 28 anos, fechou com chave de ouro o ótimo início de temporada da “seleção brasileira” no Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour na Austrália. O novo líder do ranking mundial faturou o título do Drug Aware Margaret River Pro na sexta-feira, derrotando a sensação do surfe havaiano, John John Florence, 22 anos, com as duas únicas ondas que surfou na final disputada em boas ondas de 6-8 pés em Main Break. Mineirinho perdeu no desempate a decisão da etapa passada, em Bells Beach, para o australiano Mick Fanning, mas agora festejou sua quinta vitória na carreira por 17,53 a 16,87 pontos e vai competir com a lycra amarela de número 1 do ranking no Oi Rio Pro, a nova etapa brasileira da World Surf League no Rio de Janeiro, de 11 a 22 de maio na Barra da Tijuca.

“Eu estou muito feliz, acabei de bater o melhor surfista do planeta!”,disse Adriano de Souza, que dedicou a vitória para o amigo Ricardo dos Santos, assassinado em janeiro na frente da sua casa na Guarda do Embaú (SC), por um policial militar que estava de folga. “Eu estava muito motivado pra vencer aqui para dedicar um título para ele (Ricardo dos Santos). Depois de chegar a final em Bells Beach e não ganhar, isso realmente me estimulou ainda mais. É uma honra colocar o meu nome nesta escadaria, junto com todos os campeões do passado aqui em Margaret River. Todas as manhãs eu via esses nomes e só desejava que o meu estivesse lá algum dia, então estou muito feliz que foi hoje”.

John John Florence era o único surfista que estava invicto em Margaret River, sem perder nenhuma bateria no campeonato. Já o brasileiro teve que disputar duas a mais, pois foi derrotado nas duas rodadas que não eram eliminatórias, a primeira pelo também havaiano Sebastian Zietz e na quarta fase pelo australiano Taj Burrow, sua primeira vítima na sexta-feira do Drug Aware Margaret River Pro. O havaiano é apontado como forte candidato ao título mundial, mas Mineirinho teve muita frieza e uma precisão cirúrgica para vencer a bateria final nas duas únicas ondas que surfou durante os 40 minutos da decisão.

O brasileiro foi paciente para escolher bem as melhores das séries nas direitas de Main Break, usando o mesmo ataque de três manobras fortes, finalizando com uma batida explosiva na junção. Na primeira recebeu nota 8,93 e na segunda 8,60 para faturar o prêmio máximo de 100.000 dólares por 17,53 a 16,87 pontos. O havaiano começou com notas 7,00 e 7,87 e ainda tirou a maior da bateria – 9,00 – usando a sua incrível variedade de manobras modernas para destruir a melhor onda da final. Com ela, John John conseguiu diminuir a vantagem do brasileiro para 8,53 pontos e ainda teve uma chance para virar o placar, mas recebeu nota 7,07 e terminou como vice-campeão, subindo da 21.a para a oitava posição no ranking liderado por Adriano de Souza.

“O John John (Florence) é um dos surfistas mais talentosos que nós temos no circuito”, destacou Adriano de Souza. “Eu vinha assistindo suas baterias aqui neste evento e ele estava arrebentando. O campeonato todo deu altas ondas e foi um verdadeiro desafio. Tivemos excelentes condições em The Box que foi fantástico e em Main Break também, então estou muito feliz por poder vencer este campeonato em ondas incríveis. A corrida do título mundial está boa e agora todos vão tentar me pegar. Eu sei que preciso continuar melhorando e trabalhando duro, mas estou muito motivado para competir no Rio de Janeiro”.

A decisão do título do Drug Aware Margaret River Pro foi também um tira-teima particular entre os dois finalistas. Eles tinham se enfrentado apenas duas vezes em duelos eliminatórios na divisão de elite, ambos nas quartas de final da etapa norte-americana em Trestles, na Califórnia. O brasileiro venceu o primeiro em 2012, o havaiano deu o troco no ano passado, mas Adriano desempatou este placar para 2 a 1 com a vitória em sua segunda final consecutiva na Austrália. Mineirinho agora totaliza 24.500 pontos no ranking e os únicos que podem lhe tirar a lycra amarela da liderança no Oi Rio Pro, são o australiano Mick Fanning e o também brasileiro Filipe Toledo, que venceu a primeira etapa do ano na Gold Coast.

“Eu adoro surfar aqui em Margaret River”, disse John John Florence. “No ano passado eu perdi cedo e não tive a chance de competir em The Box, então o evento deste ano foi realmente incrível poder surfar lá e depois aqui em Main Break também para fazer vários tipos de manobras. A seção final da onda estava um pouco complicada hoje (sexta-feira), eu errei algumas finalizações, mas fiquei feliz pela minha última onda que foi realmente muito boa. Só que o Adriano (de Souza) esteve impecável, ele é muito consistente, só pegou duas ondas lá fora e em ambas tirou notas acima de 8, então mereceu a vitória”.

CINCO VITÓRIAS – Esta foi a quinta vitória de Adriano de Souza em etapas válidas pelo título mundial. Ele entrou na divisão de elite em 2006, com 19 anos de idade, já chegando as semifinais em sua primeira etapa contra os melhores do mundo na Gold Coast. Mas, a primeira vitória só veio em 2009, na extinta etapa de Mundaka, na Espanha, depois de perder as suas duas primeiras finais da carreira no WCT, para o australiano Joel Parkinson novamente na Gold Coast e para Kelly Slater na penúltima edição da etapa brasileira na Praia da Vila, em Imbituba, Santa Catarina. Quando retornou para o Rio de Janeiro em 2011, Mineirinho festejou sua segunda vitória na Barra da Tijuca lotada, derrotando o mesmo Taj Burrow que ele eliminou nas semifinais em Margaret River.

Com o título no Brasil, Adriano assumiu a liderança do ranking mundial pela primeira vez e no mesmo ano conquistou outra etapa de forma inesquecível em Portugal, contra Kelly Slater num mar clássico em Supertubos, Peniche. Ele vingou a derrota sofrida em Santa Catarina para o maior ídolo do esporte, porém também levou o troco de Taj Burrow na abertura da temporada 2012, perdendo outra decisão na Gold Coast para um australiano. Mas, em 2013 se tornou o único brasileiro a badalar o sino da vitória em Bells Beach e foi vice-campeão na etapa brasileira no Rio de Janeiro, saindo mais uma vez do Brasil como número 1 do ranking mundial após a final com o sul-africano Jordy Smith nas ondas do Postinho da Barra da Tijuca.

CLÁSSICO NA SEMIFINAL – Para disputar sua segunda final consecutiva na Austrália, Adriano teve que vencer um confronto que já virou um clássico no circuito mundial contra o veterano Taj Burrow, 36 anos, que é local de Margaret River e competia em casa. O australiano já mostrou o seu conhecimento do pico logo na primeira onda que pegou, começando com nota 7,5 na única esquerda surfada na sexta-feira em Main Break. Mineirinho entrou na briga depois de acertar duas manobras potentes numa boa direita para tirar nota 6,60 e na seguinte recebeu 7,03 para assumir a ponta. Taj fica precisando de 6,13 pontos e a bateria foi decidida nas últimas ondas surfadas nos minutos finais. A do brasileiro foi melhor, valeu 6,63 e não entrou mais onda para o australiano tentar a virada no placar encerrado em 13,66 a 13,27 pontos.

OI RIO PRO – Agora todas as atenções ficam voltadas para o Brasil, que vai sediar a próxima etapa do Samsung Galaxy World Surf League Championship Tour nos dias 11 a 22 de maio no Rio de Janeiro. Adriano de Souza vai usar a lycra amarela de número 1 do ranking mundial pela primeira vez no Oi Rio Pro apresentado pela Corona. Além do novo patrocinador, outra novidade da etapa brasileira esse ano é uma estrutura alternativa na praia de São Conrado, mas o palco principal continua sendo nas ondas do Postinho, no início da Barra da Tijuca. Será a primeira vez que o evento acontece com um brasileiro como campeão mundial, Gabriel Medina, além de Adriano de Souza estar liderando o ranking com Filipe Toledo em terceiro lugar.

O defensor do título, Gabriel Medina, não começou bem a temporada e chega no Brasil em 16.o lugar na classificação geral das três etapas da Austrália. O também paulista Miguel Pupo foi até as semifinais na Gold Coast como Mineirinho e ocupa a 12.a posição. Os outros integrantes da “seleção brasileira” são os potiguares Jadson André e Italo Ferreira, que dividem o 17.o lugar com o australiano Matt Wilkinson e o irlandês Glenn Hall, além do paulista Wiggolly Dantas, que está empatado em 21.o com o taitiano Michel Bourez e o australiano Bede Durbidge.

Mais informações do Drug Aware Margaret River no www.worldsurfleague.com

—————————————————————————————

João Carvalho – Assessoria de Imprensa da WSL South America – jcarvalho@worldsurfleague.com

—————————————————————————————

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO DRUG AWARE MARGARET RIVER PRO:

Campeão: Adriano de Souza (BRA) por 17,53 pontos (notas 8,93+8,60) – US$ 100.000 e 10.000 pontos

Vice-campeão: John John Florence (HAV) com 16,87 pontos (9,00+7,87) – US$ 40.000 e 8.000 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.500 pontos e US$ 20.000:

1.a: John John Florence (HAV) 16.87 x 12.90 Nat Young (EUA)

2.a: Adriano de Souza (BRA) 13.66 x 13.27 Taj Burrow (AUS)

TOP-22 NO  RANKING DA WORLD SURF LEAGUE – após as 3 etapas na Austrália:

1.o: Adriano de Souza (BRA) – 24.500 pontos

2.o: Mick Fanning (AUS) – 16.950

3.o: Filipe Toledo (BRA) – 15.700

4.o: Julian Wilson (AUS) – 14.950

5.o: Nat Young (EUA) – 14.750

6.o: Taj Burrow (AUS) – 13.450

7.o: Josh Kerr (AUS) – 12.250

8.o: John John Florence (HAV) – 11.500

9.o: Kelly Slater (EUA) – 10.950

9.o: Jordy Smith (AFR) – 10.950

9.o: Owen Wright (AUS) – 10.950

12.o: Miguel Pupo (BRA) – 8.750

13.o: Jeremy Flores (FRA) – 8.500

14.o: Joel Parkinson (AUS) – 7.500

14.o: Sebastian Zietz (HAV) – 7.500

16.o: Gabriel Medina (BRA) – 7.450

17.o: Jadson André (BRA) – 6.250

17.o: Matt Wilkinson (AUS) – 6.250

17.o: Glenn Hall (IRL) – 6.250

17.o: Italo Ferreira (BRA) – 6.250

21.o: Michel Bourez (TAH) – 6.200

21.o: Bede Durbidge (AUS) – 6.200

21.o: Wiggolly Dantas (BRA) – 6.200

PRÓXIMAS ETAPAS DO SAMSUNG GALAXY WORLD SURF LEAGUE CHAMPIONSHIP TOUR 2015:

4.a: Mai 11-22: Oi Rio Pro no Postinho da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – Brasil

5.a: Jun 07-19: Fiji Pro em Cloudbreak e Restaurants na Ilha de Tavarua – Fiji

6.a: Jul 08-19: J-Bay Open em Supertubes, Jeffreys Bay – África do Sul

7.a: Ago 14-25: Billabong Pro Teahupoo em Teahupoo, Taiarapu Ouest – Taiti

8.a: Set 09-20: Hurley Pro at Trestles em Lower Trestles, San Clemente, Califórnia – Estados Unidos

9.a: Out 06-17: Quiksilver Pro France em Hossegor, Landes – França

10: Out 20-31: Moche Rip Curl Pro Portugal em Supertubos, Peniche, Cascais – Portugal

11: Dez 08-20: Billabong Pipe Masters em Banzai Pipeline, Oahu – Havaí

Aloha!

Share on Facebook

Notícias Relacionadas

Tags