Michael Rodrigues voa nas ondas da Joaca. Foto: Daniel Smorigo / ASP

Michael Rodrigues voa nas ondas da Joaca. Foto: Daniel Smorigo / ASP

O cearense Michael Rodrigues, 20 anos, usou a sua variedade de aéreos para conquistar a sua primeira vitória no Circuito Mundial da Association of Surfing Professionals (ASP). Desde março do ano passado morando em Florianópolis, ele foi dizimando seus adversários até derrotar o argentino Santiago Muniz, 21, na grande final do Oceano Santa Catarina Pro nas ondas difíceis de 2-3 pés da sexta-feira na Praia da Joaquina. A última etapa com nível 6 estrelas de 3.500 pontos do ano antecipou o seu encerramento porque a previsão é de que não tenha nada de ondas no sábado. Pela vitória, Michael Rodrigues faturou o prêmio máximo de 25 mil dólares e saltou da 112.a para a 42.a posição no ranking do ASP Qualification Series, enquanto Santiago Muniz subiu da 61.a para a 36.a com os 2.640 pontos do vice-campeonato na Ilha da Magia. O catarinense Tomas Hermes, 27, e o australiano Brent Dorrington, 27, perderam nas semifinais e dividiram o terceiro lugar marcando 2.080 pontos.

“Estou muito emocionado, não esperava essa vitória”,disse o campeão Michael Rodrigues, depois de ser carregado pela torcida nas areias da Joaquina. “Eu me lesionei e quando voltei a surfar eu falei pra mim mesmo que eu ia treinar cada dia como se fosse o último da minha vida. Venho me dedicando, deixando uma vida de lado só pra treinar, mas não esperava ganhar este evento, não estou nem acreditando”.

O cearense também falou sobre as manobras aéreas que usou para liquidar seus adversários.“Eu venho treinando muito vários tipos de aéreos para ter segurança de usar estas manobras nas competições. Eu surfei em todas as condições de mar aqui na Joaca essa semana, mas estava tranquilo na final e só queria surfar mesmo, não pensava na vitória e só em surfar bem as ondas que eu pegava. Eu não esperava vencer e este resultado me dá um novo ânimo. Eu não vou para o Havaí esse ano, só vou correr a perna brasileira, mas no ano que vem pretendo correr as principais etapas do Circuito Mundial lá fora também para tentar uma vaga no WCT”.

Santiago Muniz Santa Catarina

Santiago Muniz conquista segundo lugar. Foto: Daniel Smorigo / ASP South America

Irmão mais jovem de Alejo Muniz, top da elite que disputa o WCT como brasileiro, pois a família deles em Bombinhas, litoral norte de Santa Catarina, desde que eram crianças, Santiago escolheu representar o seu país de nascimento no Circuito Mundial. Ele já tinha vencido uma etapa do ASP Qualification Series no ano passado em Moquegua, no Peru, mas era menos importante, com nível 3 estrelas apenas. Então, o vice-campeonato no ASP 6-Star Oceano Santa Catarina Pro é o principal resultado neste início da sua carreira de surfista profissional.

“Estou feliz também pela segunda colocação. Deus me ajudou 100% neste campeonato e só tenho que agradecer a Ele”, disse Santiago Muniz. “Este resultado me garante bastante pontos para este final de temporada. Ainda tem mais algumas etapas importantes e agora estou mais perto da briga pela classificação para o WCT com este resultado. Claro que eu queria ter vencido a final, a gente treina muito para isso, mas ele (Michael Rodrigues) conseguiu fazer duas notas 7 nos aéreos, que era uma estratégia que eu deveria ter feito, então não deu dessa vez e espero que a próxima seja melhor”.

CAMINHO DA FINAL – Os finalistas tiveram que enfrentar as difíceis condições do mar, com séries demoradas de 2-3 pés, cinco vezes na sexta-feira. O campeão Michael Rodrigues iniciou sua caminhada para o título passando em segundo lugar no confronto vencido pelo paulista Deivid Silva que eliminou o espanhol Gony Zubizarreta. Depois, começou a acertar os aéreos nas direitas da Joaca para liquidar o novo integrante do WCT, Wiggolly Dantas, nas oitavas de final, o havaiano Tanner Hendrickson nas quartas e o australiano Brent Dorrington na semifinal, quando recebeu sua maior nota até a bateria final, 9,17.

“Eu peguei umas ondas ruins no início, aí o Michael (Rodrigues) tirou aquele 9 numa boa direita, então parabéns para ele porque é um bom surfista e mereceu ir para a final”, disse Brent Dorrington, que subiu 27 posições no ranking do ASP Qualification Series, do 82.o para o 55.o lugar. “Estou amarradão por estar no Brasil, semana que vem vou competir na Bahia (Itacaré), depois em São Paulo (São Sebastião), participarei de toda a perna do Brasil e é muito bom isso de ter três eventos numa sequência. Eu queria ter feito a final aqui, mas subi quase trinta posições e espero continuar essa escalada nestes últimos eventos do ano. Se no fim da temporada eu estiver entre os dez primeiros que vão para o WCT, será fantástico”.

Já Santiago Muniz chegou invicto na bateria decisiva. Ele começou a sexta-feira derrotando o neozelandês Ricardo Christie e o marroquino Ramzi Boukhiam. E nos duelos homem a homem, passou pelo costaricense Carlos Munoz nas oitavas de final, pelo havaiano Torrey Meister nas quartas e pelo catarinense Tomas Hermes nas duas últimas ondas que surfou na semifinal, quando conseguiu virar o resultado para 12,50 a 11,07 pontos. Mas, o que marcou este duelo foi a falta de ondas, com poucas séries entrando durante os 30 minutos da bateria.

“Foi muito difícil porque já não estavam vindo as ondas que estavam entrando antes”, lamentou Tomas Hermes. “O Santi (Santiago Muniz) tem um surfe bem arisco, então as ondas que ele pegou eu não conseguiria fazer o que ele fez, pois surfo mais de borda. Eu preferi esperar por uma onda com mais volume para surfar no meu estilo, mas acabou não vindo essa onda. No final tentei pegar uma esquerdinha que não veio também, mas estou feliz com este resultado e vou continuar trabalhando para os próximos que vêm por aí”.

Com este terceiro lugar, Tomas Hermes vai consolidando sua posição na lista dos dez surfistas que sobem para o WCT pelo ASP Qualification Series, passando da nona para a sétima colocação no ranking. “O negócio é continuar treinando, fazendo o trabalho devagar, ainda tem três etapas Prime (de 6.500 pontos), uma em Maresias (São Sebastião) e duas no Havaí, então devagar a gente vai indo. Fiz uma boa campanha aqui, melhor se tivesse ido para a final, mas bateria é isso mesmo, uma hora acontece pra você, uma hora pro outro, então saio daqui feliz também com o meu resultado”.

Santa Catarina Pro Podio

SUBINDO NO G-10 – Além de Tomas Hermes, quem também subiu no G-10 se afastando das últimas posições na lista foi o potiguar Italo Ferreira. Ele era o 12.o no ranking que estava classificando até o 13.o para o WCT e foi para oitavo com os 1.560 pontos do quinto lugar na Praia da Joaquina. O surfista de Baía Formosa agora embarca para Portugal, onde vai representar o Brasil na decisão do título mundial Pro Junior da ASP, depois volta ao país para disputar o O´Neill SP Prime nos dias 3 a 9 de novembro na Praia de Maresias, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo.

Italo foi eliminado em um dos confrontos mais disputados do último dia do ASP 6-Star Oceano Santa Catarina Pro, contra o próprio Tomas Hermes, que acabou fazendo a melhor apresentação da sexta-feira nesta bateria. O catarinense achou uma esquerda que abriu uma parede mais longa para as manobras e recebeu nota 9,07 para registrar um novo recorde de 17,94 pontos, contra 13,80 do potiguar. A maior marca era 17,43 de Davey Cathels na quarta-feira, mas o australiano continuou com a maior nota do campeonato, 9,50.

“Foi boa a bateria e o Tomas (Hermes) está de parabéns porque conseguiu pegar boas ondas, mas eu estou feliz também pela minha performance no evento e por mais um bom resultado”, disse Italo Ferreira. “Eu dei uma subida no ranking, mas não tem nada confirmado ainda, então agora é ir para Maresias tentar somar mais pontos lá no Prime. Mas, antes ainda tem Portugal. Eu viajo amanhã (sábado) para disputar o Mundial Pro Junior lá, já fiquei sabendo que a onda lá é pra direita, eu gosto de surfar de backside, então vou com tudo pra lá”.

SOBRE A OCEANO – A Oceano é uma marca de surfwear 100% catarinense, criada em Joinville há 34 anos por um apaixonado pelo esporte desde criança. Hoje, produz peças do vestuário masculino adulto e infantil com matérias primas de qualidade e processos industriais sustentáveis, fazendo reciclagem de produtos e eliminando desperdícios. Por entender que todos devem ter atitudes responsáveis de preservação, a Oceano desenvolve o projeto KOB – Keep the Ocean Blue (Mantenha o Oceano Azul) e sempre apoiou as categorias de base do surfe catarinense. O Oceano Santa Catarina Pro foi o primeiro grande evento que patrocina, para projetar ainda mais a marca nacionalmente e até internacionalmente.

O Oceano Santa Catarina Pro foi uma realização da Federação Catarinense de Surf (FECASURF), com patrocínio do Governo do Estado de Santa Catarina, através da Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte, e da FESPORTE; co-patrocínio da Prefeitura Municipal de Florianópolis e Fundação Municipal de Esportes; apoio da G-Shock, Skull Surf Boards, Ponto Eventos Especiais e Associação de Surf da Joaquina (ASJ). O Jornal Drop e a Rádio S365 foram os parceiros de mídia do evento homologado pela ASP South America como a quarta e última etapa do ASP Qualification Series 2014 com status 6 estrelas.

PERNA BRASILEIRA – Depois do Oceano Santa Catarina Pro em Florianópolis, a nova “perna brasieira” de fim de ano da ASP South America agora sai do Sul para a Região Nordeste do país. Na próxima segunda-feira, começa o ASP 4-Star Mahalo Surf Eco Festival na Praia da Tiririca, em Itacaré, no litoral sul da Bahia, também realizando etapas masculina e feminina do ASP Qualification Series como em Florianópolis. Depois, vem a prova mais importante, o O´Neill SP Prime de 6.500 pontos que será disputado entre os dias 3 e 9 de novembro com a participação de Gabriel Medina na Praia de Maresias, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo.

Por: João Carvalho – Assessoria de Imprensa da ASP South America

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO ASP 6-STAR OCEANO SANTA CATARINA PRO:

Campeão: Michael Rodrigues (BRA) por 15,37 pontos (7,70+7,67) – US$ 25.000 e 3.500 pontos

Vice-campeão: Santiago Muniz (ARG) com 10,20 (notas 5,47+4,73) – US$ 12.500 e 2.640 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 6.150 e 2.080 pontos:

1.a: Michael Rodrigues (BRA) 15.00 x 12.83 Brent Dorrington (AUS)

2.a: Santiago Muniz (ARG) 12.50 x 11.07 Tomas Hermes (BRA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 3.000 e 1.560 pontos:

1.a: Michael Rodrigues (BRA) 12.84 x 11.20 Tanner Hendrickson (HAV)

2.a: Brent Dorrington (AUS) 11.96 x 11.17 Jean da Silva (BRA)

3.a: Tomas Hermes (BRA) 17.94 x 13.80 Italo Ferreira (BRA)

4.a: Santiago Muniz (ARG) 15.84 x 13.60 Torrey Meister (HAV)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com US$ 2.300 e 920 pontos:

1.a: Michael Rodrigues (BRA) 10.90 x 10.47 Wiggolly Dantas (BRA)

2.a: Tanner Hendrickson (HAV) 13.00 x 12.10 Deivid Silva (BRA)

3.a: Jean da Silva (BRA) 14.47 x 13.57 Noe Mar McGonagle (CRI)

4.a: Brent Dorrington (AUS) 12.26 x 10.53 Peterson Crisanto (BRA)

5.a: Italo Ferreira (BRA) 12.26 x 10.37 Kevin Sullivan (HAV)

6.a: Tomas Hermes (BRA) 12.53 x 3.63 Marco Fernandez (BRA)

7.a: Santiago Muniz (ARG) 13.86 x 5.26 Carlos Munoz (CRI)

8.a: Torrey Meister (HAV) 10.67 x 7.74 Ricardo Christie (NZL)

QUARTA FASE – ROUND OF 24 – 3.o=17.o lugar (US$ 2.000 e 625 pts):

1.a: 1-Wiggolly Dantas (BRA)=12.26, 2-Tanner Hendrickson (HAV)=9.33, 3-Davey Cathels (AUS)=8.37

2.a: 1-Deivid Silva (BRA)=13.77, 2-Michael Rodrigues (BRA)=11.76, 3-Gony Zubizarreta (ESP)=11.07

3.a: 1-Noe Mar McGonagle (CRI)=16.44, 2-Brent Dorrington (AUS)=11.27, 3-Maxime Huscenot (FRA)=10.87

4.a: 1-Peterson Crisanto (BRA)=11.94, 2-Jean da Silva (BRA)=11.93, 3-Caio Ibelli (BRA)=10.37

5.a: 1-Kevin Sullivan (HAV)=13.16, 2-Marco Fernandez (BRA)=12.04, 3-Luel Felipe (BRA)=9.97

6.a: 1-Tomas Hermes (BRA)=16.00, 2-Italo Ferreira (BRA)=15.84, 3-Joan Duru (FRA)=10.50

7.a: 1-Santiago Muniz (ARG)=12.34, 2-Ricardo Christie (NZL)=11.94, 3-Ramzi Boukhiam (MAR)=6.43

8.a: 1-Torrey Meister (HAV)=11.84, 2-Carlos Munoz (CRI)=11.17, 3-Cory Arrambide (EUA)=9.20

G-10 DO ASP QUALIFICATION SERIES 2014 – após a 27.a etapa em Santa Catarina:

1.o: Jadson André (BRA) – 16.240 pontos

2.o: Matt Banting (AUS) – 14.020 e 1.o no G-10

3.o: Wiggolly Dantas (BRA) – 13.845 e 2.o no G-10

4.o: Filipe Toledo (BRA) – 13.330

5.o: Adriano de Souza (BRA) – 12.089

6.o: Adam Melling (AUS) – 11.410 e 3.o no G-10

7.o: Tomas Hermes (BRA) – 11.180 e 4.o no G-10

8.o: Italo Ferreira (BRA) – 10.557 e 5.o no G-10

9.o: Keanu Asing (HAV) – 10.230 e 6.o no G-10

10: Jessé Mendes (BRA) – 10.120 e 7.o no G-10

11: Charles Martin (GLP) – 9.325 e 8.o no G-10

12: Willian Cardoso (BRA) – 9.285 e 9.o no G-10

13: Ricardo Christie (NZL) – 9.265 e 10.o no G-10

————próximos sul-americanos até 100:

34: Peterson Crisanto (BRA) – 6.040 pontos

36: Santiago Muniz (ARG) – 5.865

38: Heitor Alves (BRA) – 5.700

39: Caio Ibelli (BRA) – 5.675

41: Alex Ribeiro (BRA) – 5.470

42: Michael Rodrigues (BRA) – 5.446

56: Krystian Kymerson (BRA) – 4.355

58: Marco Fernandez (BRA) – 4.320

69: David do Carmo (BRA) – 3.505

73: Hizunomê Bettero (BRA) – 3.202

74: Bino Lopes (BRA) – 3.160

77: Jean da Silva (BRA) – 3.100

84: Raoni Monteiro (BRA) – 2.800

92: Alejo Muniz (BRA) – 2.540

98: Lucas Silveira (BRA) – 2.449

ÚLTIMOS EVENTOS DA ASP SOUTH AMERICA EM 2014:

———————————————————————————-

Out 27-01: Mahalo Surf Eco Festival na Praia da Tiririca, Itacaré, Bahia – BRASIL

ASP 4-Star Masculino (US$ 95.000) e 4-Star Feminino (US$ 30.000) – 1.000 pontos

———————————————————————————-

Nov 03-09: O´Neill SP Prime na Praia de Maresias, São Sebastião, São Paulo – BRASIL

ASP World Prime – US$ 250.000 e 6.500 pontos no ASP Qualification Series

———————————————————————————-

Nov 13-16: Maui and Sons Woman Pichilemu Pro em Punta de Lobos, Pichilemu – CHILE

ASP 3-Star Feminino – US$ 20.000 e 750 pontos no ASP Women´s Qualification Series

Aloha!

Share on Facebook

Notícias Relacionadas

Tags