Jessé Mendes campeão WQS Portugal 2014

Jessé comemorando título do WQS Açores 2014. Foto: Poullenot / ASP.

O paulista Jessé Mendes conquistou neste sábado a quarta vitória brasileira em seis edições da etapa do ASP Prime nas Ilhas Açores em Portugal. Em uma final emocionante, ele derrotou o francês Joan Duru por 15,83 a 12,44 pontos e saltou da quadragésima para a sexta posição no ranking do ASP Qualification Series com os 6.500 pontos da vitória no SATA Azores Pro. Agora são cinco brasileiros no grupo dos dez surfistas que se classificam para a elite dos top-34 do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour. Os outros são o também paulista Wiggolly Dantas, o potiguar Jadson André e os catarinenses Tomas Hermes e Willian Cardoso.

“Eu usei uma tática aqui em todas as baterias que deu certo, pois nos últimos dois anos eu fiquei vendo e analisando tudo sobre o que os tops do WCT estavam fazendo para colocar no meu surfe”,contou Jessé Mendes. “Agora estou bem mais maduro e sabendo o que fazer nas ondas, então eu só surfei o melhor que pude e é isso que eu amo fazer. Estou muito emocionado, esta foi a vitória mais importante da minha vida e quero manter este ritmo nos próximos eventos. Nós brasileiros somos como irmãos, viajamos o mundo todo juntos e é incrível ter o apoio de todos eles agora. A final foi bem difícil e estou muito feliz pela vitória”.

Este foi o segundo título consecutivo de Jessé Mendes em etapas do ASP Qualification Series. O outro foi no ASP 3-Star Maui and Sons Arica World Star Tour, quando se tornou o primeiro brasileiro a vencer nas grandes e desafiadoras ondas de El Gringo, em Arica, no Chile. Foi mais um grande resultado do Brasil nas provas mais importantes do Circuito Mundial da ASP esse ano. No WCT, Gabriel Medina lidera a corrida do título mundial com três vitórias em sete etapas e nas do ASP Prime são mais três títulos conquistados nos quatro eventos de pontuação máxima do ASP Qualification Series realizados esse ano.

O primeiro foi o Quiksilver Saquarema Prime vencido por Wiggolly Dantas e o outro foi o US Open of Surfing, que terminou com outro paulista no alto do pódio, Filipe Toledo, em uma final verde-amarela com Willian Cardoso no maior palco do esporte nos Estados Unidos, Huntington Beach, na Califórnia. Agora restam mais quatro etapas de 6.500 pontos. A próxima é em Portugal também, o Cascais Billabong Pro nos dias 7 a 11 de outubro, com Jadson André defendendo o título conquistado no ano passado na Praia de Carcavelos.

Depois tem a estreia do São Paulo Prime fechando a série de três etapas seguidas da “perna brasileira de fim de ano” da ASP South America nos dias 3 a 9 de novembro na Praia de Maresias, em São Sebastião, cidade do litoral norte paulista onde mora o atual número 1 do mundo, Gabriel Medina. E os outros dois abrem a Tríplice Coroa Havaiana em Haleiwa e Sunset Beach, entre os dias 12 de novembro e 6 de dezembro na ilha de Oahu, no Havaí. Estes dois eventos são os últimos válidos pelo ranking do ASP Qualification Series e definem a lista dos dez surfistas que vão completar a elite dos top-34 para o WCT do ano que vem.

Jessé Mendes na Praia de Santa Bárbara da Ilha de São Miguel nos Açores (Foto: Poullenot / ASP)

Jessé Mendes na Praia de Santa Bárbara da Ilha de São Miguel nos Açores. Foto: Poullenot / ASP

DOMINIO BRASILEIRO – Em Portugal, é impressionante o domínio brasileiro nos Açores. Esta foi a sexta edição do campeonato e a quarta vitória verde-amarela nas ondas da Praia de Santa Bárbara, na Ilha de São Miguel. A estreia do evento em 2009 já foi encerrada com uma final brasileira vencida pelo catarinense Willian Cardoso contra o potiguar Jadson André. Em 2010, ele foi cancelado por falta de ondas e no ano seguinte a decisão foi norte-americana, com C. J. Hobgood derrotando Nathan Yeomans. Depois só deu Brasil no alto do pódio, com o cearense Messias Felix vencendo outra final verde-amarela contra Wiggolly Dantas em 2012 e no ano passado foi a vez do catarinense Tomas Hermes festejar o título nas Ilhas Açores.

No sábado só foram realizadas as semifinais e a grande final em boas ondas de 2-3 pés na Praia de Santa Bárbara. O último dia começou com um duelo que já garantia entrada no G-10 do ASP Qualification Series ao vencedor e a vaga ficou para Jessé Mendes, ao derrotar o neozelandês Ricardo Christie por 14,10 a 11,50 pontos. Na outra semifinal, Joan Duru teve mais trabalho para superar o australiano Yadin Nicol por um placar apertado de 9,00 a 8,00 pontos. O francês chegou em Portugal em 68.o lugar no ranking e com a passagem para a final já aparecia em 19.o. Poderia ter subido um pouco mais, mas não conseguiria ingressar no G-10 nem com a vitória no SATA Azores Pro.

DECISÃO DO TÍTULO – A decisão do título começou quente, com Jessé Mendes largando na frente com uma nota 7,50, contra 6,17 de Joan Duru. Na onda seguinte, o brasileiro surfou bem de novo e igualou a nota 6,17 do francês para abrir vantagem, consolidada ainda mais quando ele surfou outra boa onda que valeu 7,03. Duru permaneceu tranquilo e tentou virar o resultado em um aéreo, porém não conseguiu com a nota 6,27 que recebeu dos juízes. E para sacramentar a vitória, Jessé escolheu mais uma bela onda para fechar a sua participação com uma série de três potentes manobras executadas com velocidade para somar 8,33 no placar encerrado em 15,83 a 12,44 pontos.

“Se alguém me dissesse antes deste evento que eu ia chegar na final nem eu acreditaria, mas agora me sinto até um pouco frustrado por não conseguir pegar boas ondas para vencer”, disse Joan Duru. “Eu costumava dizer a mim mesmo que eu poderia, talvez, fazer uma ou duas baterias, mas este campeonato foi um divisor de águas na minha carreira. Agora me sinto bem mais confiante e espero conseguir outros bons resultados até o final do ano para brigar por uma vaga no WCT”.

Com os 5.200 pontos do vice-campeonato no SATA Airlines Pro, Joan Duru ganhou 49 posições no ranking, subindo do 68.o para o 19.o lugar no ASP Qualification Series que está classificando para o WCT até o 12.o colocado, o norte-americano Michael Dunphy, que também entrou no G-10 com o quinto lugar no ASP Prime dos Açores. Porém, o maior salto quem deu foi o australiano Yadin Nicol, que mesmo barrado por Joan Duru nas semifinais subiu 59 posições, da 82.a para a 23.a. Ele ficou logo abaixo do potiguar Italo Ferreira, outra vítima de Joan Duru nas quartas de final, que estava em sexagésimo lugar e agora é o 22.o.

MAIORIA BRASILEIRA NO G-10 – Italo passou a ser o brasileiro que está mais próximo da zona de classificação para o WCT. O ranking do ASP Qualification Series está dominado pelo Brasil. São sete entre os dez primeiros colocados e cinco no grupo dos dez indicados para completar a elite dos top-34 para o ano que vem. O líder é o australiano Matt Banting, seguido por dois brasileiros que já estão garantindo suas permanências entre os top-22 do Samsung Galaxy ASP World Tour que dispensam as vagas do ranking de acesso, Filipe Toledo e Adriano de Souza. Por isso, o QS está classificando até o 12.o colocado.

Os brasileiros que aparecem no G-10 são os paulistas Wiggolly Dantas em quinto lugar e Jessé Mendes em sexto, o catarinense Tomas Hermes em sétimo, o potiguar Jadson André em oitavo e o catarinense Willian Cardoso em 11.o. Além de Jessé, quem também entrou na lista no SATA Azores Pro foi o norte-americano Michael Dunphy, que passou a fechar o G-10 em 12.o lugar no ranking. Os dois tiraram o americano Tim Reyes e o neozelandês Billy Stairmand da zona de classificação para o WCT de 2015.

Por: João Carvalho – jcarvalho@aspworldtour.com

Aloha!

Share on Facebook

Notícias Relacionadas

Tags